Zajal Ensemble

Picture 2

Três músicos. 
Uma bailarina. 
O Oriente aqui.

Zajal Ensamble
música árabe e Al-Andaluz

 

a música


Apaixonados pela música do compositor contemporâneo libanês Rabih Abou-Khalil, três músicos portugueses se juntaram em 2010 para interpretar fragmentos da obra deste autor. O alargamento dos seus horizontes musicais a outras formas de improvisação foi acompanhado de uma redescoberta das raízes musicais ibéricas e mediterrânicas, no encontro com as sonoridades do médio-oriente.

Deixados pela ocupação muçulmana, sobreviveram até hoje, nos cantares populares portugueses, fragmentos de melodias, ritmos, melismas, arabescos… Serão meras semelhanças, aquilo que ouvimos cantar no Alentejo, na Beira-Baixa, e até no fado?

ZAJAL ENSEMBLE nasceu, assim, da descoberta e da afinidade sentida pelos seus intérpretes, entre as culturas musicais do médio-oriente e a herança musical lusa, ao encontro da matriz escondida do Al-Andaluz. Não nasce da tentativa de recordar uma viagem de verão por territórios exóticos, mas sim da genuína descoberta, no interior dos temas de autores como Abou-Khalil, dos “fragmentos arqueológicos musicais” que se encontram igualmente no seio da identidade cultural portuguesa e que permitiram a construção interpretativa dos seus elementos.

 

a dança


Os espetáculos serão pontilhados por momentos de dança, com a presença de uma dançarina especializada em danças orientais. Acontecerá, entre a dança e a improvisação musical, uma relação direta, de inspiração simbiótica, transmutação, convite, desafio, sedução. Com toda a sua força simbólica, a dança será encarada livremente, como improvisação, sem quaisquer outras limitações estilísticas para além da sugestão de um gesto orientalizante.

 

zajal3

 

ESPECTÁCULOS EM EXIBIÇÃO

 

ZAJAL ENSEMBLE : Fragmentos de Khalil


O trabalho de Rabih Abou-Khalil surge como um dos mais sugestivos universos, quando pensamos numa aproximação à música do médio-oriente. Compositor contemporâneo e virtuoso alaudista libanês, a residir na Europa, que soube fazer, com grande sucesso, a ponte entre as suas tradições musicais e o mundo improvisador do jazz. O repertório desta formação é dedicado, exclusivamente, a este autor genial, onde, sob a influência da sua obra, se mesclam as raízes e afinidades musicais dos seus intervenientes.

 

ZAJAL ENSEMBLE : O Oriente Aqui


O nome do projeto prefigura uma maior incidência na pesquisa musical a partir da herança fragmentária do Al-Andaluz na tradição musical portuguesa e ibérica: o zajal, ou zéjel, foi talvez a principal forma poético-musical que floresceu durante a presença árabe na Península Ibérica. Reflete ainda uma maior maturidade e originalidade deste projeto, aos níveis conceptual e de repertório. Caminhos possíveis de exploração que nos levem ao longe que é perto, é aqui.

 

zajal_azulejo

 

“Será possível aceitar que a música árabe se tenha praticado no nosso território durante cerca de um milénio mas dela não subsistam vestígios na arte do nosso povo? O que explicaria um tal fenómeno? 
A tarefa, árdua mas apaixonante, de avaliar, não o se, mas o quanto, está à espera daqueles que estudando, com igual amor ao saber, música árabe e música portuguesa, redescubram o parentesco ignorado.”
Adalberto Alves, Arabesco: Da música árabe e da música portuguesa, 1989.

 

MÚSICOS


 

 

Daniel Romeiro – Flauta
Estudou flauta transversal na Academia de Amadores de Música, onde estudou com personalidades como Lopes-Graça e Paulo Brandão.
A sua visão multiculturalista levou-o a Integrar vários projetos, ligados à música popular portuguesa, brasileira, ao flamenco, ao jazz, ao blues, música africana e fusão.
Leciona Educação Musical no ensino básico.

José Manuel Tavares – Alaúde
Estudou, guitarra clássica, no Conservatório Nacional de Lisboa.
Integrou várias formações de música de câmara com reportório clássico e contemporâneo.
Lecionou educação musical e guitarra clássica, no ensino oficial.
Presentemente, é professor acompanhador das aulas de dança contemporânea, na Escola de Dança do Conservatório Nacional.

André Pinto – Percussões
Personalidade multifacetada, autodidata, tem participado nos mais variados projetos musicais. Desde a música popular portuguesa, irlandesa, aos ritmos do Magrebe, latino-americana, a sua busca, constante, de conhecimento e interceções, entre culturas, levou-o à música de influêcia libanesa e ao desenvolvimento, a partir do espetáculo de homenagem a Abou-Khalil, do seu trabalho em Zajal Ensemble.

 

 

MEDIA


 

Ver no Youtube (1)

Ver no Youtube (2)

 

FICHA TÉCNICA


Nome da produção: Zajal Ensemble

Espetáculos em exibição
 O oriente aqui
 Fragmentos de Khalil

Nº de elementos em palco: 4

Formação
 Daniel Romeiro flauta transversal
 José Manuel Tavares alaúde /oud
 André Pinto darbuka e outras percussões
 + Bailarina de danças orientais

Conceito, direcção musical
 Daniel Romeiro

Arranjos e selecção de repertório
 Zajal Ensemble

Características
 Palco, estrado ou espaço

Guarda-roupa
 Estilo oriental